A moda brasileira pelo olhar nordestino :: entenda a relevância do Dragão Fashion Brasil



Ontem, durante a coletiva de imprensa na abertura do DFB 2014, que comemora 15 anos de evento, Claudio Silveira conversou com a imprensa e seu discurso sintetizou a importância do evento para o Brasil, confira abaixo:




Cláudio Silveira, criador do DFB
"A última década e meia mudou a cara da moda brasileira. Da euforia do inicio dos anos 2000, com o surgimento dos grandes eventos de moda no Brasil, a gente atravessou os úlimos anos vendo nossa indústria ir do inchaço de objeto de desejo em todo mundo ao atual momento em que tenta se reerguer e reafirmar sua identidade e força. Muitas águas rolaram e muito pano pra manga foi costurado, descosturado e recosturado mais uma vez. Ainda há muito o que fazer e a gente sempre transformou a crise em oportunidade. O #DFB2014 vem do tamanho exato que merece a moda feita no Ceará, no Nordeste do Brasil e até fora dele. Além dos desfiles nacionais trazemos ao Brasil nomes como Ivan Aguilar, que fez sua aparição em Nova York, Nico Didonna do London Fashion Week, e marcas jovens que já atuam em lugares como a Inglaterra e a Finlândia. Por isso, o Dragão não fala uma só uma lingua, somos plurais, somos coletivos. Somos grandes e merecemos respeito! O trade de moda cearense gera empregos para 115.000 pessoas em todo o estado e nossa moda reflete um estilo de vida mutante e em constante crescimento."

Cláudio Silveira também ressaltou a quantidade de pessoas envolvidas na cobertura do evento, que reúne mais 250 profissionais, entre eles fotógrafos, jornalistas e blogueiros brasileiros e estrangeiros (nós do FANZINEURBANO acompanhamos o Dragão há mais de sete anos) que auxiliam a divulgar a relevância de uma semana de moda no Nordeste brasileiro. 

E quando falo sobre criar e pensar moda no Nordeste vou além dos grandes números da venda da pujante indústria têxtil e de confecção que essa região possui. O trabalho que o DFB vem desenvolvendo ao longo desses 15 anos também pensa na inclusão dos estudantes de moda, das entidades de classe regionais, do varejo, do artesanato e dos artistas. 

Todos eles estão reunidos com o objetivo de divulgar, validar e fazer crescer o estilo de vida da região nas passarelas. Ao levar o tempero nordestino para uma temporada de moda que reúne brasileiros e criadores internacionais o DFB insere a rica cultura da região no panorama global.

Nesse período de 15 anos o evento amadureceu e conseguiu chamar a atenção, mostrando nos fashion shows moda de qualidade e feita fora do eixo esnobe e muitas vezes separatista e  repetitivo do Sudeste e Sul do país.

Confira abaixo alguns números do evento e da região que ajudam a dimensionar a importância da continuidade e do formato do DFB:

+ Mais de 2.700 empregos diretos e indiretos são gerados, dos técnicos de montagem ao vendedor ambulante;

+ Durante cinco dias de evento a Praça Almirante Saldanha recebe 45.000 pessoas e promove 40 desfiles durante o DFB;

+ Em parceria com o SENAC Ceará o evento promove o Dragão Pensando Moda reúne palestras, workshops e oficinas que tem como intuito refletir sobre o processo produtivo de moda capacitando profissionais e estudantes da região


+ Segundo o Anuário da Moda do Ceará 2012 existem cerca de 1.700 empresas de têxteis e confecção no Estado que movimentam US$ 11,4 bilhões;

+ 176.000 toneladas de tecido produzidos por ano, dentre elas 10.000 toneladas são exportadas.
 fotos: @dfhouse







Clique abaixo para ver a cobertura dos principais desfiles do evento:

Mario Queiroz Viori

Nenhum comentário:

Postar um comentário