Sampa, em busca de água, tenta secar outros estados

Represa de Jaguari que integra o Sistema Cantareira




Rio Paraíba do Sul
Caso a Agencia Nacional das Águas (ANA) aprove o pedido de transposição de água do Rio Paraíba do Sul para o sistema Cantareira, a obra deverá custar cerca de R$ 500 milhões para o estado de São Paulo, segundo divulgado em coletiva ontem com Geraldo Alckmin, no Palácio dos Bandeirantes. As obras aconteceriam apenas no segundo semestre de 2015, ou seja, uma solução a médio prazo.

O projeto detalhado nesta quarta por Alckmin é bombear água da Represa Jaguari, na cidade de Igaratá, para o Reservatório Atibainha, em Nazaré Paulista, uma das cinco represas que compõem o Cantareira. A transposição seria feita por uma tubulação de 15 quilômetros de extensão que será construída margeando a Rodovia Dom Pedro II, com capacidade para transferir 5,1 mil litros por segundo, vazão equivalente a 20% do que a Companhia de Saneamento Básico de São Paulo (Sabesp) tem retirado do Cantareira para a Grande São Paulo.

Rodovia Dom Pedro I passando sobre o reservatório de Atibainha, no município de Nazaré Paulista

O Rio Paraíba do Sul passa pelos estados de São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro. Por isto uma obra desta precisa do aval do governo e de órgãos federais. O ex-ministro Alexandre Padilha, em entrevista a Folha de S. Paulo, disse que mais uma vez o governo federal terá que resolver falhas estruturais no estado de São Paulo: a falta de obras para a produção de água.



Este descaso de anos do governo estadual já explodiu nas periferias de São Paulo. Segundo o portal G1, Moradores de bairros da Zona Norte de São Paulo reclamam de falta de água desde o mês passado. Geraldo Alckmin ainda nega o racionamento. A doméstica Maria Cristina Gomes, moradora do Parque Edu Chaves, diz que as torneiras da sua residência ficam secas todas as noites, entre 21h e 7h, há cerca de um mês. Talvez o governador esteja falando de Higienópolis e Jardins, onde certamente a água não é cortada.



O deputado Anthony Garotinho disse em seu twitter que: “o Paraíba do Sul é vital para o estado do Rio”. Ainda aconselho o governador Cabral a pedir estudo técnico a ANA. “O Rio não pode sofrer por SP”, terminou.

Para o coordenador do Laboratório de Hidrologia da Coppe/UFRJ, Paulo Canedo, a polêmica expõe uma "fragilidade do Grande Rio". "Não posso conceber que São Paulo pretenda retirar água do Paraíba do Sul e transferir o problema de escassez para as cidades fluminenses."

Esta não é a primeira vez que o governador tenta resolver o problema da escassez tirando água dos outros. Anteriormente Alckmin já havia pedido para compartilhar água do sistema do Alto Tiete e da Guarapiranga.


Alckmin apresentou proposta nesta quarta-feira - JF Diório/EstadãoEnquanto a ANA não se declara em relação ao pedido de transposição, a Sabesp, em caráter emergencial, irá captar água do volume morto. A população sofre com um governo despreparado. E a dúvida que fica é de onde irá surgir a grana para realizar esta obra. Ah sim, eleições e financiamento privado de campanha. Depois? Depois a gente vê.

Nenhum comentário:

Postar um comentário