fanzineurbano em: faltou luz mas era dia












A equipe de reportagem de fanzineurbano flagrou essas imagens hoje, às 8h45 da manhã. Trevas, escuridão e muita chuva. Nem o Mojica em um filme do Zé do Caixão poderia ser mais assustador. Uma manhã noturna e treteira.

Adoro quando a cidade acorda nervosa, ouvindo punkrock no talo. Hoje foi assim, às seis da manhã fez um puta sol do caralho, daqueles que quando a gente está com o dia livre olha pra janela e pensa “vou dormir mais e depois dou um role para aproveitar o dia lindo”. Instantaneamente, como num filme catástrofe de Hollywood, o céu se fechou o dia virou noite e caiu um dilúvio digno de Noé e seus bichinhos.

Eu sei que o transito fica todo cagado, que a gente fica com o pé molhado, o cabelo tombado e tudo mais... Ainda assim é incrível ver a cidade enfurecida. E quanto Sampa acorda virada ela é a número um do mundo em na escala de “emputecimento e vingança”. Urbanóides que se cuidem e providenciem guarda-chuva de camelô pra dar conta . Tivemos um desses típicos e bizarros dias de metrópole nervosa. Muita chuva, quilômetros de congestionamento, gente aborrecida e lixo saindo pelos bueiros entupidos. Mas nada como um bom cine-catástrofe ao vivo como veneno antimonotonia para espantar pequenos problemas... Sob a chuva me esqueci de todos eles.




Nenhum comentário:

Postar um comentário