vício estranho


Quem estava acostumado a se jogar ao som do The Knife pode se espantar com o projeto solo da vocalista Karin Dreijer Andersson. Fever Ray deixa de lado o electro colorido e penetra numa escuridão gótica cheia de individualidade. Um personagem preso entre paredes que deseja se tornar um forasteiro. Este é o clima do alter-ego de Karin. Com batidas certeiras, o álbum já nasceu clássico. Conquista aos poucos. Puro estranhamento e vício. Perigo de não sair mais do playlist.



Nenhum comentário:

Postar um comentário