transição ::: fanzineurbano volta para sampa



Pensar moda, viver moda, respirar moda. Essa é uma das tarefas mais aprazíveis e extenuantes que se pode ter como profissão. Conclusão paradoxal, mas os paradoxos são a base do pensamento de moda. Outro corre, que dificulta o viver de moda, é a extrema fragilidade desse produto tão perecível, tão efêmero como diria Gilles...

A partir dos egos, dos surtos, dos sonhos e das borbulhas é preciso propor reflexões, sacar a realidade de um mundo que vive flanando, em suspensão numa bolha de devaneios geniais e geniosos. Do universo dos sonhos para a realidade das vans, das locações, dos backstages, dos carros, dos vôos, dos romaneios, dos severos castings que mexem com cabeças de gente tão nova, há uma vala de muito trabalho pesado.
Entre filas, convites, pautas, line ups, hotéis, saudades, desesperos, festas incríves, entrevistados marcantes e muitas alegrias, a gente sente orgulho de ser profissional de moda. Guerreiros da beleza, imperadores da arte do vestir, pesquisadores da funcionalidade, historiadores do comportamento humano.
Entre Rio e Sampa há mais trabalho, reestruturações, reuniões, alinhamentos para continuar a labuta na próxima semana de desfiles. Das águas tranqüilas do Píer Mauá para o cimento hard core da Bienal. Oficialmente fanzineurbano abre a cobertura de dos desfiles de Sampa.
Nos trombamos pelas rampas do Niemeyer.
;)


Nenhum comentário:

Postar um comentário