roteiro curta metragem | metrofobia

METROFOBIA
curta metragem de fanzineurbano
Produção Paçoca – A Casa de Idéias
fanzineurbano@gmail.com

1A. - Créditos iniciais. HQ. ESTAÇÃO DE TREM – BANCO DA PLATAFORMA.
Uma velha decrépita, sentada em um banco se desmancha em pó e trapos. Enquanto ela se decompõe no quadro, ao fundo, no muro vemos os créditos iniciais do filme.

1B. - Abertura. HQ. ESTAÇÃO DE TREM - PLATAFORMA.

Plano abre e se distancia da velha em decomposição. Vemos uma plataforma de trem estilo faroeste. Ela sentada, postura ereta.Espera e se decompõe há décadas. Chapéu, sombrinha e uma cesta de vime cheia de maçãs secas. Ao longe, no extremo oposto da plataforma Ele se aproxima. Finalmente ele chegou.Estava bonito, de banho tomado, roupa nova. Trazia nas mãos uma resma com centenas de lírios brancos. Ele se aproxima cuidadoso, porém confiante. A quase um metro da velha o homem estranha sua hostilidade e falta de entusiasmo. Olha em seu relógio de bolso, os ponteiros giram aleatoriamente. O pescoço da velha quebra e sua cabeça cai.

(som intermitente de despertador)


2. DIA. QUARTO EM PENUMBRA.

O despertador do celular toca. Aperta a tecla soneca e volta a dormir. O visor do celular mostra: 06:00. O aparelho de som liga em uma rádio qualquer. O visor do aparelho mostra: 06:05. Fernando tateia pelo colchão procurando o controle remoto. Da cama ele diminui o volume do aparelho de som e volta a dormir. A TV liga. O alarme do celular volta a tocar. Fernando desativa o aparelho e vê: 06:40. Abre a cortina do quarto.

3. DIA. PORTA DE ENTRADA / CORREDOR.

X se levanta vai até a porta da sala e pega o jornal do lado de fora. Ao bater a porta vemos o número do seu apartamento


4A. DIA. SALA.

Pós-banho, em pé no meio da sala, enrolado na toalha, pingando água, tremendo de frio com um copo americano cheio de café. Observa o céu fuma um cigarro. O telefone toca. Ele continua parado no mesmo lugar fumando seu cigarro. O telefone pára, ele apaga o cigarro, coloca uma cueca e um tênis. O telefone começa a tocar outra vez, Fernando desconecta da parede a tomada do aparelho.

4B. DIA. COZINHA.
Abre a porta da geladeira, observa seu interior e pega uma barra de 300g de chocolate. Pega um copo de dentro da geladeira, enche de coca-cola. Pega um pedaço de pizza fria, morde e sai.

4C. DIA. SALA.

Comendo chocolate e tomando coca-cola acende outro cigarro. Volta a olhar pela janela. Apaga o cigarro e volta a comer chocolate.

Off de FERNANDO durante a ação
Dois dias deitado alucinando realidades e exorcizando interiores. O médico disse que não é nada, só uma gripe. Melhor deixar meus lençóis encharcarem em paz.



5. DIA. Cozinha
Em frete à geladeira aberta ele exercita o tríceps lentamente olhando para o interior do refrigerador.

Off de X enquanto observa a geladeira
A procura por indícios resultou inútil. Nenhuma coisa e lugar nenhum pode revelar o que há em mim, o que aconteceu comigo. Ando por caminhos e por pessoas neutras. Nada a minha volta pode me dizer. Envolvo-me de distâncias para poder aproximar-me de mim.


6. DIA. Banheiro

Enfrente ao espelho do banheiro X passa fio dental, escova os dentes, faz a barba, estoura espinhas e tenta ajeitar o cabelo.

Off de FERNANDO durante a ação
Tem estes dois cantinhos da minha boca que, mesmo quando eu rio, ficam curvados para baixo. E tem também estes dois olhos de tartaruga triste. Durante muito tempo achei que era uma tristeza assim, que nasce com a gente. Mas depois que vim pra cá, ela só me visita quando precisa.


7. EXT. NOITE. SEQUÊNCIA DE FOTOS I / SHOOTING DE PERSONAGENS URBANOS + SUBJETIVA DE UMA MOTO VAGANDO PELA NOITE DO CENTRO DE SÃO PAULO.


8. EXT. NOITE.CARRINHO DE DOG NA PORTA DA BOATE DANGER NO CENTRO DE SÃO PAULO.
Em primeiro plano a barraca de hot dog e alguns de seus freqüentadores. X está sentado o tempo todo, algumas pessoas passam pela barraca mas somente seus troncos e pernas entram em plano. Ao fundo a fila da Danger se forma, a casa abre,pessoas passam e o dia clareia. Toda a ação no background acontece em câmera acelerada.

X
Ainda acredito nas coisas a dois, mas agora sento no banco para um. O espaço que em mim antes pedia algo forte, agora se acalma e se completa com coisas mais simples, como saber que não quero e nem nunca vou querer, uma linda cozinha planejada.

9. SEQUÊNCIA DE FOTOS II. Brilho e saturação “flavorizada” das imagens.

X
Onde eu guardo tudo aquilo que queria ter dito e não consegui?

10. SEQUÊNCIA DE FOTOS III + AÇÃO DE X ANDANDO PELO APARTAMENTO.

X em off
Detesto roupas e quando estou em casa fico só de cueca. Não sei mais há quanto tempo estou em casa. Compro cuecas pela Internet e peço pizzas pelo celular. Também gosto de óculos escuros, dizem que quem tem os olhos claros sofre de fotofobia. Além disso, tem uma luz insuportável que entra pela minha janela. Uma luz que fica mais forte a cada gole de vodka que bebo. A cada pílula que engulo. Uma luz mais forte que a lâmpada da televisão à meia-noite. Às vezes converso com meu pai pelo MSN e minha mãe sempre me manda tênis. Ela sabe que adoro tênis.

11. DIA. PORTA / CORREDOR. ALUCINAÇÃO FEDEX
X está em seu apartamento quando toca a campainha. Ele atende a porta e encontra o He-Man com o uniforme da Fedex e pegada de michê com uma entrega do tamanho de uma caixa de sapatos. Assina o protocolo, se despede e fecha a porta.

12. DIA. SALA. NA PISCINA REGAN.
X na piscina. Todo o ambiente está esfumaçado, defumado. Um pouco sonho, um pouco macumba, um pouco fantasmagórico porém o clima deve ser de sedução / excitação / plenitude.

X tomando banho
Desde pequeno não consigo andar descalço, a sujeira do chão me incomoda. Às vezes uso só a meia, mas elas furam rápido demais. Odeio o calor que faz lá fora. Gosto de brincar na piscina por que assim não corro o risco de tropeçar e ralar de novo meu joelho, mas meu pai fica com ciúmes... Diz que gosto da minha piscina não é o útero da minha mãe.

13. DIA. SALA. NA PISCINA REGAN COM O HE-MAN.

X toma banho na piscina, agora cheia de espuma. O entregador He-man fica estático na piscina segurando sua espada, com um olhar vitrificado.

LETREIRO manuscrito que percorre a tela.
Me envolvo em águas limpas e tratadas e deixo que este contato vá definindo, detalhe a detalhe, todos os sulcos de minha escama. Mas gosto da minha piscina mesmo quando a água enruga meus dedos. O tempo ganha outra medida. Diminui a velocidade de meus movimentos e em contra ponto acelera as rugas em meus dedos.


14. DIA. SALA. PINTANDO A PAREDE.
Fernando mecanicamente pincela palavras na parede, robótico, coreográfico, sincopado.

Off de X enquanto escreve na parede
Tem coisas que não respeitam seu próprio tempo. Querem acelerar o meu com a força que chegam. Intensificam os sentimentos e deixam a sensação de que tudo já foi vivido. Mas o que tem de tão interessante na rua?

15. DIA. SALA. ÊXTASE.
Fernando bebe, dança, checa e-mails, tira o lixo, organiza a casa, coloca discos, rasga papéis, limpa o fogão, organiza livros e corta as unhas do pé.

Fernando em off
O que acontece lá fora que possa ser melhor do que o que eu tenho aqui dentro? Às vezes a gente pira. Às vezes a gente chora. E tanto, que nossos olhos - os dois - ficam pra lá de vermelhos. E embaçam, e a gente tropeça. E cai. Carrego como que flutuando sobre minha cabeça, uma espada. Por isto é de extrema importância não fazer movimentos bruscos. Corro um grande risco, de ser decapitado, de me posicionar perante a vida. Mas esta espada ainda tem corte?

16. DIA. CORREDOR.


Off de X saindo pelo corredor. (seus ouvidos sangram e os pingos gotejam pelos ombros)

Porque às vezes a gente freqüenta aquele inferninho... E chega a hora de soterrar os planos, engessar os sonhos, engolir os gemidos, tomar as lágrimas, vestir as botas e olhar em outra direção.


FIM

Nenhum comentário:

Postar um comentário