barbitúricos, coca-light e fama



Histérica contava calorias obsessivamente. Uma planilha garantia o cruzamento dos dados e um gráfico em pizza atestava o sucesso ou o fracasso da semana. Alucinada, cheirava todas as madrugadas, engolia cápsulas de anfepramona e corria milhas na esteira. Com proteína sintética, gelatina sem sabor e alface, conquistou inúmeras campanhas em castings concorridíssimos. Linda e roxa tinha uma pré-agenda na melhor clínica de São Paulo para realizar pequenas intervenções cirúrgicas que lhe garantiram o sucesso. Drenagem linfática, barbitúricos, peelings, salto agulha, protetor FPS 50, eletrólises e muitos surtos trouxeram o estrelato.

Numa tarde medíocre, de tempo seco e trânsito insuportável, Ella se jogou – deprimida, falida e com fome - da janela de seu apartamento no bairro de Higienópolis. Traumatismo craniano, quatro costelas quebradas, clavícula deslocada e inúmeras escoriações lhe garantiram capa nos principais cadernos dos jornais da cidade e chamadas ao vivo na televisão. Ainda no hospital, imobilizada e cheia de pus, ela vibrava com a sua volta à cena. Entre gazes, bandagens, gesso e aparelhos ela clamava: “por favor, coloquem minhas botas antes que a imprensa continue me fotografando”.

Um comentário: